Bem Vindo. O Mundo é Seu.



O Estudo do Sangue Humano

O Sangue

Nada mais fantástico do que este líquido que percorre todo nosso corpo, levando gases, nutrientes e diversos compostos químicos , necessários ao funcionamento do nosso corpo.

Elementos Figurados do Sangue



1. Hemácias (glóbulos vermelhos / células vermelhas / eritrócitos).

- Células discóides bicôncavas, com 7 a 8 um (micrômeros).
- Função ligada ao transporte de gases (gás carbônico e oxigênio).
- Realizam hematose.
- Produzidas na medula óssea vermelha dos ossos longos e chatos.
- Vida média de 120 dias.
- São anucleadas quando adultas. - Quantidade na mulher de 4,5 – 5,0 milhões por mm3 de sangue e o homem de 5,0 – 5,5 milhões.
- Policemia ou poliglobulia – aumento na quantidade.
- Anemia ou hipoglobulia – diminuição na quantidade.
- Retiradas do sangue quando mortas pelo fígado e pelo baço.
- Contém aglutinogênio.
- Contém hemoglobina = carboemoglobina e oxiemoglobina.

2. Leucócitos (glóbulos brancos ou células brancas)

- Células esféricas com, aproximadamente, 6 um (micrômetros).
- Função ligada à defesa do organismo.
- Realizam fagocitose e diapedese.
- Quantidade de 6.000 – 10.000 por mm3 de sangue.
- Ao nascer, a criança chega ater 15.000 – 25.000, caindo para 12.000 após o 4º dia.
- Leucemia e leucopenia.
- Leucopenia.

Tipos de Leucócitos

Granulócitos ---> eosinófilo (2 – 3) / neutrófilos (55 – 65) / basófilos (0 – 5)

Agranulócitos ---> Linfócitos (25 – 35) / monócitos (3 – 10)

Nota.
Os granulócitos são produzidos na medula óssea vermelha e têm vida média de 12 horas.
- esosinófilo: aumenta em caso de alergia
- neutrófilo: primeira linha de defesa
- eosinófilo: produz heparina (ação anti-coagulante) e histamina (ação vasodilatador)

Os agranulócitos são produzidos no baço, timo, gânglios e amígdalas.
- linfócitos: produz anticorpos e atua na rejeição de enxertos.
- monócitos: alto poder fagocitário e faz diapedese.


Plaquetas (trombócitos)

- Não são células, são fragmentos de células.
- Função ligada a coagulação do sangue.
- Produzida a partir de células gigantes (megacariócitos) da medula.
- Quantidade de 200.000 – 300.000 por mm3 de sangue.
- Aderem à superfície áspera, liberando tromboplastina.
- Trombocitose (aumento) trombocitopenia (diminuição)

A coagulação.

Tromboplastina --> protrombina --> ca --> trombina-->? fibrinogênio --> fibrina

Quando há lesão na parede do vaso sangüíneo, as plaquetas daquela região liberam a tromboplastina que “inativa” a heparina. Com isso, em presença de Ca, protrombina passa a trombina. A trombina age sobre o fibrinogênio e o leva a fibrina, que é uma proteína fibrosa em forma de “rede de fibrina”, em cujas malhas ficam presas hemácias,leucócitos e plaquetas, formando uma massa compácta, o coágulo.

Tromboplastina ou tromboquinase: liberada pelas plaquetas inativa a heparina
Fibrinogênio:encontrada no plasma
Protrombina: existe no sangue circulante
Trombina (fibrinofermento):

A antitrombina ou heparina Produzida pelos mastócitos – tecido conjntivo) impede a transformação de protrombina para trombina.

Obs. Fatores da coagulação sangüínea

Fator I – Fibrinogênio
Fator II – Protrombina
Fator III – Tromboplastina
Fator IV – Cálcio
Fator V – Fator lábil ou Globulina aceleradora
VII – Conversor da protrombina
Fator VIII – AHG – Fator anti-hemofílico (globilina anti-hemofílica)
Fator IX – PTC – componente tromboplastínica
Fator X – Fator Sturat-Prower
Fator XI – Antecedente tromboplastina do plasma – PTA
Fator XII – fator Hageman
Fator XIII – Fator Laki-Lorand (LLF)

A hematopoese ou hemopoese é o processo de formação dos elementos figurados do sangue (série mielócita – origem na medula).


Os Tipos Sanguíneos.

Os grupos sangüíneos no homem podem ser classificados de acordo com três sistemas básicos:

- sistema ABO
- sistema Rh

O sistema ABO

O sistema ABO classifica o sangue em 4 grupos:
O grupo O (45% da população)
O grupo A (40% da população)
O grupo B (10% da população)
O grupo AB (5% da população)

Até o início do século XX, era grande a ocorrência de acidentes graves durante as operações de transfussões de sangue. Coube ao patologista autríaco Karl Landsteiner demonstrar que existiam diferenças entre os componentes do sangue de umas pessoas em relação a outras.

No sistema ABO temos a ação de duas proteínas distintas que determinam e atuam nesse tipo de sistema:
Nas Hemácias, as proteínas Aglutinogênio A e Aglutinogênio B.
No plasma sanguíneo (parte líquida), as proteínas Aglutinina anti-A e aglutinina anti-B.

Grupos Alutinogênio/Antígeno Aglutinina/Anticorpo
A A B
B B A
AB A e B Não tem
O Não tem Anti A e Anti B

A aglutinação ocorre quando há um encontro do aglutinogênio com sua respectiva aglutinina. Por exemplo, o Agluniogênio A não pode se encontrar com a Aglutinina Anti A.

A transfusão sangüínea
Numa transfusão de sangue, é importante que o antígeno do doador seja compatível com o anticorpo do receptor.

A CRUZ DO DOADOR


NOTA:
O Falso O – o efeito Bombaim.
Pais do grupo sanguíneo O tiveram um filho A. Isso é possível? A resposta mais lógica é não. Essa resposta, entretanto, nem sempre pode ser absoluta. Deve-se investigar se os pais são realmente do grupo O, oi se pertencem a uma pequena porcentagem da população (menos de 1%) que é falso. Eles podem ter genótipos AA, Ai, BB, Bi ou BB, ma são sempre identificados como O por meio das técnicas tradicionais. A incidência é maior na Índia, especialmente em Bombaim.


A identificação de cada grupo



Em cada lâmina coloca-se uma gota de anti-A e uma de anti-B. Em seguida, coloca-se uma gota de sangue em cada gota de soro, misturando-as. Agora, é só observar e fazer a leitura.

O sistema Rh

Foi descoberto por Landsteiner e Wiener em 1937, os quais detectaram primeiramente no sangue do macaco Rhesus.
A determinação do fator Rh depende de um antígeno nas hemácias, diferentes dos antígenos A e B, do sistema ABO.
As pessoas que possuem no seu sangue o antígeno observado inicialmente no macaco Rhesus, são chamadas de Rh positivo. As que não possuem são Rh negativo.
Uma pessoa positiva não pode doar sangue a uma outra que seja negativa. Isto irá acarrear a destruição das hemácias do receptor.

Logo:

Grupo Rh positivo (85% da população)
Grupo Rh negativo (15% da população)

Levando em consideração os sistemas ABO e Rh, o verdadeiro Doador Universal é o grupo "O negativo".

A erritroblstose fetal ou DHRN (doença hemolítica do recém-nascido)

Um problema muito importante relacionado ao sistema Rh refere-se à incompatibilidade feto-materna. Quando a mãe tem sangue Rh negativo e gera um filho Rh positivo.
Como os indivíduos Rh positivo possuem no sangue um antígeno que os indivíduos Rh negativo não possuem, se esse antígeno entrar em contato com o sangue de uma pessoa Rh negativo, o plasma sangüíneo dessa pessoa produzirá anticorpos que combaterão o antígeno.
Essa situação, ocorre em condiçoes naturais, quando a mãe fica grávida de um segundo filho, também positivo. Portanto, se uma mulher Rh negativo estiver esperando um filho Rh positivo as hemácias do filho podem, ocasionalmente passar para o sangue da mãe, que iniciará a produção de anticorpos. Esses anticorpos podem passar para o sangue do filho, destruindo suas hemácias.
Atualmente, previne-se a eritroblastose fetal injetando-se na mãe Rh negativo soro contendo anti-Rh, logo após o nascimento do primeiro filho Rh positivo.



Página inicial
Volte ao menu